Pés no presente e olhos no futuro

A CESP – Companhia Energética de São Paulo – atua na geração de energia elétrica no Estado de São Paulo por meio de três usinas hidrelétricas. Fundada em 1966, a Companhia tem sede administrativa em São Paulo e escritórios no interior.

As usinas hidrelétricas operadas pela CESP estão instaladas nas bacias hidrográficas do Rio Paraná e do Rio Paraíba do Sul. Juntas, as unidades Engenheiro Sergio Motta (Porto Primavera), Paraibuna e Jaguari somam 1.654,6 MW de capacidade instalada. 

Em 2018 as três usinas geraram 9.275 GWh de energia, montante este que sustenta o objetivo de eficiência e que garante padrão de qualidade e de competitividade no setor. Faz parte da cultura da CESP gerar valor sem deixar de cumprir seu papel no âmbito socioambiental. Por isso, são desenvolvidos projetos de recuperação e conservação dos ecossistemas e da biodiversidade, assim como iniciativas com as comunidades das localidades em que a Companhia atua.

Com o processo de privatização da CESP, desde dezembro de 2018, a Companhia é controlada por uma joint venture formada pelo Grupo Votorantim e pelo Canada Pension Plan Investment Board (CPPIB).

Breve histórico da companhia:

A CESP nasceu em 1966 por meio da fusão de 11 empresas paulistas de energia elétrica. Até o final dos anos 90, a Companhia, criada pelo governo do Estado de São Paulo, atuava de maneira verticalmente integrada nas atividades de geração, transmissão e distribuição de eletricidade. No final desse período, seus ativos foram reorganizados com o objetivo de atender ao Programa Estadual de Desestatização.

Os ativos e operações de distribuição foram reunidos em empresas específicas por segmento,  e, posteriormente, privatizados. Já os ativos e operações de geração foram divididos entre a própria CESP e outras duas empresas privatizadas: a Companhia de Geração de Energia Elétrica Paranapanema S.A., atualmente Duke Energy International, e a Companhia de Geração de Energia Elétrica Tietê, hoje AES Tietê.

Em 2006, a empresa capitalizou um total de R$ 3,2 bilhões, sendo R$ 2 bilhões de participação do mercado, e R$ 1,2 bilhão do controlador Fazenda do Estado de São Paulo, por meio de Oferta Pública Primária de ações preferenciais classe B. A transação era integrante do Acordo de Realização de Subscrição e Integralização de Ações, celebrado em 10 de julho de 2006. Ainda nesse mesmo período, a Companhia aderiu ao Nível 1 das Práticas Diferenciadas de Governança Corporativa da B3 – Brasil, Bolsa, Balcão S.A.. 

Em fevereiro de 2008, foi realizada nova tentativa de privatização da CESP, que não foi concluída. A Medida Provisória nº 579, de 11 de setembro de 2012 (convertida na Lei nº 12.783/2013), tratou das concessões de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica. Essa Medida Provisória ofereceu à CESP a antecipação da renovação das concessões das Usinas Ilha Solteira e Jupiá, com vencimento em 7 de julho de 2015. O mesmo tratamento foi dado à Usina Três Irmãos, cujo vencimento de seu primeiro termo de concessão havia ocorrido em novembro de 2011.

Em Assembleia Geral Extraordinária realizada em 3 de dezembro de 2012, os acionistas da Companhia decidiram pela não renovação antecipada das três concessões. Com essa definição, a CESP continuou a operar normalmente as Usinas Ilha Solteira e Jupiá até o termo final da concessão, em 7 de julho de 2015. Com relação à usina de Três Irmãos, após período de operação assistida, essa usina foi transferida ao novo concessionário em setembro de 2014.

Em 29 de janeiro de 2018, tendo em vista a publicação do Decreto Federal nº 9.271/2018, que permitiu que concessões de geração sejam prorrogadas por até 30 anos no contexto de uma privatização, o Conselho Diretor do Programa Estadual de Desestatização (CDPED) deliberou pela retomada do processo de transferência do controle acionário da CESP. Em 6 de julho de 2018, o CDPED aprovou as condições gerais do Edital n° SF. 001/2018, referente a venda do controle acionário da Companhia.

Em 19 de outubro de 2018, foi realizado o leilão das ações da CESP que teve como vencedor o Consórcio São Paulo Energia, constituído pela VTRM Energia Participações S.A. (“VTRM”) e pela SF Ninety Two Participações Societárias S.A. (“SF 92”), resultado da parceria do Grupo Votorantim com o fundo canadense Canada Pension Plan Investment Board (CPPIB). Em 11 de dezembro de 2018, após a celebração do Contrato de Compra e Venda de Ações com o Estado de São Paulo, a CESP passou a ser uma empresa de controle privado.

Desde então, a nova administração tem trabalhado para o estabelecimento de um novo patamar de governança na Companhia e, com a implementação de mudanças estruturais relacionadas a modernização, a excelência operacional e o foco nos resultados.

Leia mais + Ver menos -

Instituto Criança Cidadã

O Instituto Criança Cidadã (ICC) tem a missão de garantir o exercício da cidadania às futuras gerações, levando educação, cultura, esporte e assistência às crianças e adolescentes atendidos. A CESP tem um papel fundamental nesse processo: atua como empresa mantenedora e fundadora do Instituto, contribuindo com o funcionamento das 16 unidades socioeducativas do grupo.

Mais de 5500 pessoas, entre crianças, jovens e adultos, são beneficiadas com as ações centradas em uma pedagogia que contribui de forma significativa para o desenvolvimento integral dos atendidos. A partir da construção de conhecimento, o Instituto tem o desafio de formar cidadãos questionadores, responsáveis e conscientes de sua participação no desenvolvimento do país.

Criado em 1999, o ICC é uma instituição sem fins lucrativos, reconhecida como de utilidade pública estadual e municipal, e certificada como entidade beneficente de assistência social, pelo Ministério da Educação (MEC).

Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento

A Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento desenvolve projetos culturais e educativos que contribuem para a democratização do acesso ao patrimônio cultural, e conta com uma rede de Museus da Energia em São Paulo, Itu e Salesópolis, além de atender a pesquisadores nacionais e estrangeiros interessados em seu rico acervo histórico. A CESP atua como mantenedora e apoiadora da organização sem fins lucrativos.

A Fundação não só mantém atividades em suas diversas unidades, como também atua junto à sociedade através de parcerias, projetos e serviços voltados à educação e cultura, com a produção de publicações e exposições, por exemplo. Nas áreas de patrimônio histórico, ciência e tecnologia e meio ambiente, os projetos contribuem para a difusão de valores que priorizam o desenvolvimento sustentável e reforçam os conceitos de cidadania.

A instituição possui um acervo com mais de 1.600 metros lineares de documentos textuais, 260 mil documentos fotográficos, cerca de 3.500 objetos museológicos, 50 mil títulos na biblioteca (a maior do Brasil especializada em energia) e documentos cartográficos, audiovisuais e sonoros. Além disso, a Fundação também possui um rico patrimônio arquitetônico e ambiental, incluindo quatro Pequenas Centrais Hidrelétricas, testemunhas da história do desenvolvimento do setor energético, entre elas a Usina do Corumbataí, em Rio Claro, a mais antiga preservada no Estado de São Paulo, inaugurada em 1895.